Estreantes do Leão comemoram triunfo no primeiro clássico do ano

(Foto: Arisson Marinho / Correio)

Vitor Villar (vitor.villar@redebahia.com.br)
O Ba-Vi foi de estreias muito felizes para o lado rubro-negro. A principal delas foi a do técnico Argel Fucks, vitorioso no seu primeiro clássico.
“Nosso time cresce nos jogos grandes. E o Ba-Vi é um clássico de proporções muito grandes, independentemente de não valer mais nada para a classificação do campeonato. Mas vale pela honra, por medir forças com o Bahia, que é um rival que a gente respeita muito”, disse o treinador.
O técnico também afirmou que o clima pacífico que se viu nas arquibancadas foi refletido no campo: “Houve respeito por parte do Vitória e por parte do Bahia. Eu acho que nós, os profissionais, temos que dar em campo o exemplo para fora, para que as torcidas se respeitem, porque podemos ter até mais seis Ba-Vis pela frente e esse respeito é necessário”.
Outro que estreou no clássico com moral foi o meia Cleiton Xavier, autor do primeiro gol do rubro-negro. “Foi bom, né? É difícil jogar um Ba-Vi, principalmente na casa do adversário. Mas fico feliz que no primeiro clássico eu tenha conseguido logo fazer um gol”, contou.
“Foram dois tempos muito distintos. No primeiro, a gente não sofreu tanta pressão. No segundo, a gente teve uma queda e era óbvio que eles viriam para cima, mesmo com um jogador a menos, mas isso só fez valorizar a nossa vitória”, completou o meia.
Um dos estreantes acabou sabendo que ia jogar há poucos minutos do apito inicial. André Lima foi o escolhido para substituir Kieza, que havia se machucado no aquecimento, e fez grande partida.
“É um clássico, mas é mais um jogo, não ganhamos nada. Vamos ter mais Ba-Vis pela frente. Fico feliz de ter disputado meu primeiro e saído com a vitória. Vamos continuar na humildade, pezinho no chão”.
O volante José Welison, que deixou o jogo ainda na etapa inicial com dores no joelho direito, saiu da Fonte Nova ontem de muletas. A preocupação era nítida no rosto dos médicos: a suspeita é de lesão ligamentar e o atleta vai passar por exames de imagem nesta semana.
“Torci o joelho. Estou com dor, não consigo dobrar a perna. Vou fazer uma ressonância para saber o que houve”, explicou ele na saída do vestiário. O jogador de 22 anos já ficou seis meses parado em 2015 por conta de uma lesão nos ligamentos do joelho esquerdo.
Compartilhar no Google Plus

Sobre WEB INTERATIVA

DEIXE SEU RECADO