Acusado de ser mentor de estupro coletivo é condenado a 100 anos de prisão



Redação: Correio 24h

Suspeito de comandar um estupro coletivo contra quatro adolescentes em maio de 2015, Adão José de Sousa, 43 anos, foi condenado a 100 anos e 8 meses em regime fechado. De acordo com o G1, o julgamento ocorreu no Tribunal do Júri e terminou durante a madrugada de quarta-feira (28), no Fórum de Castelo do Piauí, a 189 km de Teresina. O réu negou envolvimento com o crime.

Adão foi denunciado pelo Ministério Público pelos crimes de porte ilegal de arma, estupro qualificado, homicídio qualificado, tentativa de homicídio, corrupção de menores e associação criminosa. O julgamento aconteceu a portas fechadas.

Ainda segundo informações do G1, a condenação foi lida pelo juiz Leonardo Brasileiro por volta das 4h, após os jurados se reunirem por cerca de duas horas na sala do júri. Formado por cinco mulheres e dois homens, o juri entendeu que Adão de Sousa participou do estupro e comandou os quatro adolescentes que o acompanharam no crime.


O Crime

Em 27 de maio de 2015 quatro adolescentes foram agredidas, estupradas e arremessadas do alto de um penhasco de cerca de 10 metros de altura, na cidade de Castelo do Piauí. Uma das jovens morreu 10 dias após o ocorrido.

Quatro adolescentes foram condenados a cumprir medida socioeducativa por envolvimento nos crimes. Um deles foi assassinado pelos comparsas dentro de um alojamento no Centro Educacional Masculino (CEM), em Teresina.

No início das investigações, dois deles chegaram a confessar o crime, mas disseram posteriormente que a confissão teria ocorrido por conta de agressões que teriam sofrido de policiais. A Justiça afirmou que não existiam sinais de violência na época do fato denunciado.

Compartilhar no Google Plus

Sobre WEB INTERATIVA

DEIXE SEU RECADO