Mulher faz selfie do próprio sequestro

Foto: Reprodução


Agência O Globo

A bibliotecária Maria Anália da Conceição, de 60 anos, havia acabado de chegar ao ponto de ônibus na Avenida Paulista, região central de São Paulo, quando foi feita refém por uma desconhecida por volta das 12h desta quinta-feira. Armada com uma faca, a agressora falava frases sem sentido e pedia para Maria chamar a imprensa. Enquanto aparentava procurar contatos no telefone, a vítima tirou uma foto da situação e a enviou a sua psicóloga, com quem teria uma consulta alguns minutos depois. Aproveitou para pedir dicas de como se acalmar durante o sequestro.

— Foi de repente, eu estava esperando o ônibus. Estava olhando o aplicativo do itinerário de ônibus e ela, do nada, me grudou por trás e falou: "Você vai me salvar". Num primeiro momento, achei que era uma brincadeira. Aí quando tentei virar para trás, ela me imobilizou. Ela falava: "Chama a imprensa!".

Enquanto fingia que pesquisava números da imprensa em seu celular, Maria aproveitou para trocar mensagens com a psicóloga e avisar que não poderia comparecer à consulta, que estava programada para dali alguns minutos. Para provar que estava sendo feita refém, enviou a selfie.

— Ela (a mulher com a faca) não estava prestando atenção no que eu estava fazendo, queria mesmo chamar a atenção da imprensa. Dizia que ninguém merecia passar fome, falou algumas coisas sem sentido sobre futebol. Avisei a minha psicóloga, na esperança que ela me mandasse uma mensagem para que eu ficasse mais calma.

O sequestro chamou a atenção de quem circulava pela Avenida Paulista na tarde desta quinta-feira. A digitadora Kelly Cristina, de 35 anos, estava em um prédio em frente ao ponto de ônibus quando começou a movimentação. Resolveu deixar de almoçar para ver o que estava acontecendo:

— Fiquei com medo. Pego ônibus aqui todos os dias. Os policiais falavam para ela manter a calma e, no fim, ela desistiu e tirou a faca do pescoço da moça. Só vi o policial mostrando o celular e, apontando para o helicóptero, pra moça que fazia a outra refém. Era difícil ouvir.

O garçom Toninho Alves, de 49 anos, trabalha em um bar na região e conta que pessoas chegaram a dizer que a vítima tinha se ferido, o que não aconteceu.

— Foi cerca de meia hora de muvuca, as pessoas correndo de um lado para o outro na Paulista, curiosos. Os fregueses querendo almoçar rápido para ver o que tinha acontecido. Falavam que tinham furado o pescoço dela. No fim, não foi nada disso.

Foto: Reprodução
A estudante de publicidade Yasmin Mussolin André, 19 anos, saía do shopping Top Center quando viu as viaturas da polícia se aproximarem. Segundo ela, já tinha policiais e algumas câmeras onde a vítima estava sendo ameaçada -- uma multidão ao redor, o que bloqueava a faixa de acesso no sentido Paraíso.

— Rolou mais de meia hora de conversa e negociação, até a mulher decidir soltar a vítima. Logo depois ela (mulher que estava com a faca) abraçou o policial que estava fazendo a negociação e foi levada para a delegacia. Por isso, imagino que ela tinha algum problema mental.

A polícia não informou a identidade da mulher que estava com a faca, que acabou sendo detida.

Maria Analia prestou depoimento no 78º DP (Jardins) e, logo depois, fez exame de corpo delito no Instituto Médico Legal (IML).

Compartilhar no Google Plus

Sobre WEB INTERATIVA

DEIXE SEU RECADO