Polícia encontra digitais de assassino de Marielle Franco

Foto: Reprodução


Antônio Werneck, da Agência O Globo

Policiais civis e federais que investigam a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes conseguiram colher digitais parciais do assassino ou da pessoa responsável por municiar a pistola 9mm usada no crime, praticado no último dia 14 de março. Elas foram encontradas em cápsulas achadas por peritos na esquina das ruas João Paulo I e Joaquim Palhares, no Estácio, onde aconteceu o ataque.

Especialistas examinaram nove cápsulas, sendo oito do lote UZZ 18, vendido pela Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) em dezembro de 2006 para o Departamento da Polícia Federal em Brasília e distribuído para todo o país. A nona faz parte de um carregamento importado, e, de acordo com investigadores, tem características especiais, semelhantes à de um projétil disparado em um homicídio que ocorreu em outro ponto da Região Metropolitana do estado.

As digitais encontradas nas cápsulas, nas palavras dos peritos, estão fragmentadas. Isso significa que, num primeiro momento, não podem ser comparadas com as armazenadas no banco de dados das polícias do Rio e Federal. Porém, segundo agentes que atuam no caso, é possível confrontá-las com as de um eventual suspeito.

- Elas são microscópicas, fragmentadas. Estamos fazendo todo o esforço possível - afirmou um policial que participa da investigação.

O trabalho da perícia nas cápsulas impressionou o secretário de Segurança, Richard Nunes, conforme adiantou em sua coluna Ancelmo Gois. De acordo com o colunista, a qualidade técnica foi elogiada pelo secretário.

ASSASSINATO DE MILICIANO É INVESTIGADO

A equipe da Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil e do Ministério Público (MP) estadual que investiga o assassinato da vereadora Marielle Franco, no último dia 14 de março, também apura a execução, na noite de domingo, de Carlos Alexandre Pereira Maria, de 37 anos, líder comunitário da região da Taquara, na Zona Oeste. Conhecido como Alexandre Cabeça, ele era suspeito de ligação com uma milícia e trabalhava como colaborador do vereador Marcello Siciliano (PHS), ouvido na semana passada pelo grupo que conduz o inquérito sobre a morte de Marielle e Anderson.

Siciliano foi um dos seis vereadores chamados pela DH para contar como era a convivência com Marielle. Alguns eram do PSOL; outros, adversários políticos da parlamentar. Mas, de acordo com investigadores, nenhum prestou depoimento na condição de suspeito. Citado em um relatório da Secretaria de Segurança sobre a influência de milicianos nas eleições de 2014, quando concorreu a deputado estadual (sem conseguir se eleger), Siciliano ficou aproximadamente três horas na sede da especializada, na Barra. Ontem, ele lamentou o assassinato de Carlos Alexandre, a quem descreveu como um “colaborador voluntário” de seu gabinete.

Compartilhar no Google Plus

Sobre WEB INTERATIVA

DEIXE SEU RECADO