'Somos um milagre', exalta técnico da Croácia ao lembrar condições de trabalho

Marcelo Theobald / Agência O Globo
Bernardo Mello, da Agência O Globo


Zlatko Dalic, treinador da Croácia, detalhou nesta quinta-feira, dia seguinte à histórica vitória sobre a Inglaterra, alguns percalços e limitações que o país precisou vencer para chegar à sua primeira final de Copa do Mundo. Dalic lembrou que seu primeiro contato com os jogadores após assumir a seleção, no fim de 2017, foi no aeroporto de Zagreb, pegando o avião para uma partida decisiva contra a Ucrânia.

Dalic trabalhou sem salário e sem contrato para levar o país, bastante deficiente em infraestrutura esportiva, a mais um Mundial. O treinador fez questão de elogiar a "força mental" e o "caráter" dos seus jogadores, por terem levado um país de 4 milhões de habitantes à final do torneio mais disputado do planeta.

— Somos o menor país, junto com o Uruguai, a atingir uma final de Copa do Mundo. Quando consideramos isso e olhamos as condições de infraestrutura que temos em casa, digo que somos uma milagre — afirmou Dalic.

O treinador aproveitou o microfone antes da final e fez críticas às condições de trabalho no esporte croata.

— Não tínhamos, há três meses, um estádio adequado para receber nossas partidas pela Liga das Nações (torneio europeu que acontecerá em outubro), contra Inglaterra e Espanha. Não temos infraestrutura para torneios deste porte. É um grande problema que eu gostaria de destacar. Nas condições em que trabalhamos, nos traz grande alívio o que alcançamos. Algo precisa ser transformado. Se não for agora, quando será? — questionou.

Dalic assumiu a seleção croata em outubro de 2017, às vésperas da última rodada das eliminatórias europeias para a Copa. A Croácia precisava derrotar a Ucrânia, fora de casa, para ir à repescagem. Venceu por 2 a 0 em Kiev e depois superou a Grécia no play-off que lhe rendeu a vaga na Copa.

O treinador, que antes disso vinha trabalhando no futebol árabe desde o início da década, disse que aceitou sem pestanejar o convite feito às pressas. Sem tempo sequer de treinar seus jogadores, Dalic lembra que pegou o carro e seguiu direto para o aeroporto para encontrá-los antes da viagem à Ucrânia. Dalic, assim, levou a Croácia à Copa do Mundo sem ter sequer um acordo formal para dirigir a seleção.

— Não houve negociação, eu só aceitei. Meu sonho de infância era ser o treinador da Croácia. Depois do jogo contra a Ucrânia, trabalhei outras seis semanas sem contrato. — revelou Dalic. — Não queria assinar nenhum papel. Eu não precisava de um salário. Disse que, se eu conseguisse classificar o time para a Copa, aí sim sentaríamos e faríamos um contrato com a federação. Foi o que aconteceu.

Compartilhar no Google Plus

Sobre WEB INTERATIVA

DEIXE SEU RECADO