ACM Neto admite disputar governo do Estado em 2022

Foto reprodução

Presidente nacional do Democratas, o prefeito de Salvador, ACM Neto, disse, ontem, não acreditar que o governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) perseguirá a Bahia, mas afirmou que o governador reeleito Rui Costa (PT) precisa descer do palanque. 

“Espero que não haja punição a ninguém [na gestão de Bolsonaro]. A eleição tem que encerrar as disputas. Não creio, pelo que conheço do presidente eleito Jair Bolsonaro, que ele tenha o espírito de perseguir a Bahia porque Rui Costa não o apoiou na eleição. Por outro lado, Rui Costa precisa descer do palanque. Não adianta Rui Costa estar aqui na Bahia esculhambando o presidente e querer ir a Brasília e querer as portas abertas. Precisa descer do palanque e colocar o interesse do estado em primeiro lugar. Tenho certeza que ninguém vai permitir, inclusive, eu não vou permitir que a Bahia seja perseguida. Acho que o presidente eleito tem todo o interesse de prestigiar o Nordeste”, afirmou, em entrevista à Rádio Câmara Salvador.

 O prefeito voltou a criticar o fato de pedir uma reunião com Rui Costa para tratar da mobilidade urbana da capital baiana, mas, até o momento, o governador não marcar. Segundo ele, o petista “não separa” as divergências políticas da administração. “O desprezo dele não é por mim. Até porque, eu não estou nem aí para o carinho dele. O desprezo dele é com a população de Salvador. Eles não se conformam porque, no fundo, o que Rui Costa gostaria é de que a prefeitura de Salvador fosse uma secretaria do governo do estado, que ele pudesse mandar. Isso não vai acontecer”, declarou.

“Rui Costa tem um recalque. Até imaginava que era um problema comigo, porque ele poderia ter na cabeça que eu seria candidato a governador esse ano. Então, me via como adversário dele. O meu fantasma ficava na cabeça dele. Quando anunciei a decisão que não seria candidato a governador, imaginei que isso iria acabar. Que as coisas poderiam ter um caminho de tranquilidade, de diálogo”, acrescentou. Sobre a eleição de 2022 quando acontecerá a sucessão do governado reeleito Rui Costa (PT), o prefeito admitiu que pode ser candidato. “Essa hipótese existe? Claro que existe. Isso será ou não construído a partir de 2021. Até 2020, é gestão. Agora, como hipótese, é claro que existe”, declarou. 

ACM Neto cogitou ser postulante ao Palácio de Ondina no pleito deste ano, mas desistiu e apoiou o ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), na corrida eleitoral. O prefeito também comentou o imbróglio em torno do reajuste do ônibus. Ele suspendeu o aumento até que os empresários renovem a frota. “Não dá mais para Salvador continuar com uma frota antiga, com ônibus quebrando toda hora. Ônibus que, infelizmente, não trazem conforto à população e é obrigação do concessionário, que está previsto no contrato, garantir a renovação da frota. A oportunidade para isso é agora”, ressaltou. 

Neto criticou o governo do estado por reajustar o contrato, com o consórcio formado pela Odebrecht e OAS, por R$ 167,9 milhões para a Arena Fonte Nova. “Como é que o governo do estado paga de contrapartida pela PPP da Fonte Nova R$ 168 milhões por ano? Isso é uma vergonha. Em dois anos, dá para construir um estádio. Isso é um absurdo. Ele está com um nível de comprometimento com as PPPs (Fonte Nova, o metrô, Hospital do Suburbio e outras)”, declarou.

Tribunal da Bahia
Compartilhar no Google Plus

Sobre WEB INTERATIVA

DEIXE SEU RECADO