Passageiros de micro-ônibus vítimas de acidente em Seabra eram integrantes da mesma família


Os passageiros do micro-ônibus envolvido no grave acidente que deixou seis mortos, em trecho da BR-242, em Seabra, na Chapada Diamantina, na última quinta-feira (3), eram parentes e retornavam para casa após uma festa de família realizada para comemorar o ano novo. O evento ocorreu em Goiás. No total, 40 pessoas viajavam no coletivo. Seis delas morreram. Uma carreta bateu no coletivo, que atingiu outros dois carros. Vinte e seis pessoas ficaram feridas no acidente, incluindo o motorista da carreta.

De acordo com Tainam Guanais, que é da família das pessoas que viajavam no micro-ônibus, o coletivo chegou na Bahia na quarta-feira (2). Os passageiros dormiram na casa de Tainam, no município de Ibotirama, no oeste do estado, e só seguiram viagem na manhã desta quinta. “Na ida dormiram lá e na volta também dormiram lá para descansar. Hoje cedo saíram muito felizes, mas infelizmente aconteceu [o acidente]”, disse Tainam.

Parte da família morava em Campo Formoso, outra em Juazeiro e algumas pessoas em Jacobina, todas cidades no norte da Bahia. Dos mortos, três eram de Juazeiro, incluindo Rosalvo Ferreira da Costa, de 60 anos, e a filha Angeline da Silva Sosta, de 33, que era técnica de enfermagem da rede municipal de saúde.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Juazeiro se solidarizou com a família e informou que, por conta do acidente, o funcionamento do posto de saúde onde Angeline trabalhava foi suspenso nesta quinta-feira. Os outros mortos foram identificados como Simoni Otília Gomes Silva, Rebeca Silva Oliveira, Delma Ribeiro da Silva, de 55 anos, e Thalita Ribeiro da Silva, de 31 anos, que é filha de Delma.

Dos 26 feridos, 22 estão internados no Hospital Regional da Chapada, na cidade de Seabra. Duas crianças, uma de 3 e outra de 7 anos, foram transferidas para o Hospital do Subúrbio em Salvador. As outras duas pessoas foram encaminhadas para o Hospital Geral do Estado (HGE). “Alguns estão em observação, outros estão aguardando ser liberados, alguns vão passar por cirurgia. Os que foram à óbito já foram para o IML. As crianças nós não temos informação ainda, mas estão em estado grave”, contou Tainam Guanais. 

Jornal da Chapada com informações de G1BA.
Compartilhar no Google Plus

Sobre WEB INTERATIVA

DEIXE SEU RECADO