Dois homens de 20 e 48 anos morrem durante perseguição policial na Bahia

Foto: Reprodução/TV Subaé

Um jovem de 20 anos e um homem de 48 morreram durante uma perseguição policial, no bairro da Pedra Ferrada, em Feira de Santana, a 100 quilômetros de Salvador. Conforme a Polícia Militar (PM), os suspeitos fugiram do local.

Segundo informações da PM, uma equipe da 20ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Feira de Santana) recebeu a informação de que três suspeitos estavam em um carro roubado. Durante a perseguição, houve um confronto e duas pessoas foram baleadas. Elas não resistiram aos ferimentos.

A Polícia Militar informou que instaurou um inquérito policial para investigar o caso.
De acordo com os familiares das vítimas, Aelson Costa Silva e Clodoaldo Silva Santos não estavam no carro dos suspeitos.

A família de Aelson Costa informou que o jovem trabalhava em um mercadinho e faria uma entrega quando foi atropelado pelo carro dos suspeitos e, em seguida, atingido por tiros.

“Meu filho era um homem bom, trabalhador, estudando, com tudo pela frente. Nunca ficou sem trabalhar. Toda a vida teve as coisas dele, trabalhava pra ter, nunca pediu nada a ninguém, nunca roubou nada de ninguém. Não fumava, não bebia, não ia pra festa", afirmou Adailda Silva, mãe de Adelson.

Segundo ela, os policiais militares que atiraram no filho dela. "Eles que mataram. E ainda vieram dizer que foram os bandidos. E esse bandido estava aonde? Que ninguém viu bandido. O carro parado sem ninguém dentro. Foi pra onde o bandido?”, questionou.

Leandro Leal, comerciante e patrão de Adelson, lembrou emocionado do funcionário. “Sábado de manhã, ele estava varrendo o mercadinho, e eu cheguei. Ele perguntou: ‘Você vai fazer meu casamento mesmo?’. Eu disse: ‘Vou’. Eu não consegui fazer o casamento dele. Era um rapaz gente boa demais. Muito bom. Muito bom mesmo. Eu estou sentido, como se fosse um filho meu”, falou.

Rafael Santos, amigo de Adelson, também afirmou que a vítima nunca se envolveu com o crime. “A gente cresceu junto. Não andava com nada errado, só procurava trabalhar. Ele quando me via desempregado, arrumava emprego para mim. Nunca gostou de festa. As coisas que ele mais gostava era de sair montado e cavalo. Nunca gostou de estar em meio de malocagem", disse.

Já Clodoaldo Silva Dantas estava com amigos em um bar e correu após se assustar com o barulho dos tiros. Os familiares dele informaram que ele foi identificado como assaltante.

Maria da Silva, mãe de Clodoaldo, disse que está revoltada. “Eu tenho que dizer à polícia, se um chegar aqui, que eu fiquei revoltada. Ele devia procurar primeiro se ele era ladrão. Eu que perdi meu filho”, desabafou.
“Ele era limpo, limpo. Como Deus é limpo, meu filho era limpo”, acrescentou José da Silva, pai de Clodoaldo.

O caso também é investigado pela Polícia Civil de Feira de Santana. A morte de Aelson Costa será investigada como homicídio, já que a vítima não estava envolvida no fato. Sobre o caso de Clodoaldo, o órgão informou que não definiu como o caso será tratado.

G1/BA

Sobre Web Interativa

WEB INTERATIVA - PORTAL DE NOTÍCIAS - Redacao@interativapn.com

0 comentários:

Postar um comentário