Homem entra em coma após receber golpe de jiu-jitsu em aula

Foto: cedida ao Metrópoles 


Redação: Metrópoles DF

Um aluno de jiu-jitsu está, há nove dias, internado em coma induzido no Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF), após ter levado golpe durante uma aula em Planaltina. Em 26 de junho, o motorista de ônibus Marcos Batista da Silva, 38 anos, passou mal no momento que praticava a arte marcial na academia Charles Gracie, no condomínio Estância Mestre D’armas I.

De acordo com familiares, Marcos frequentava a academia há pelo menos dois meses. Ele nunca havia tido contato com qualquer tipo de luta e não possuía histórico de problemas de saúde.

Durante a aula, ele teria recebido um golpe conhecido como katagatame. O movimento, um estrangulamento característico do jiu-jitsu e do judô, ocorre quando o lutador passa o braço por baixo do pescoço do oponente.

Segundo a esposa de Marcos, Núbia Vilarindo, 37, o marido teria acenado para que o colega interrompesse o golpe, batendo no tatame. No entanto, ao se levantar, começou a passar mal.

“Me ligaram para ir até a academia e, quando cheguei lá, meu marido estava no chão, inconsciente e sem conseguir falar. Disseram que era normal que o aluno passasse mal depois de receber o golpe”, disse ao Metrópoles.

Núbia relatou que o professor acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Marcos foi encaminhado ao Hospital Regional de Planaltina (HRP) e, posteriormente, transferido ao HBDF. “Acho que o primeiro médico já havia notado que ele estava mal e dava sinais de um AVC [acidente vascular cerebral].”

AVC

O motorista chegou ao Hospital de Base ainda na noite de 26 de junho. Na unidade pública de saúde, sofreu o primeiro AVC e precisou ser submetido a procedimento cirúrgico durante a madrugada para remoção de um trombo cerebral – um tipo de coágulo formado na região.

Três dias depois, no domingo (30/06/2019), sofreu o segundo acidente vascular cerebral, levando os médicos a induzir o coma. Nesta quinta-feira (04/07/2019), passou por tomografia para avaliar o nível de inchaço do cérebro.

Para a família do motorista, houve negligência por parte da academia. “O rapaz que lutou com ele está na academia há três anos. Meu marido é forte e alto, mas não tem técnica. Pelo tempo de academia, não sei se é correto um aluno novato receber esse golpe. Não sei se o professor estava acompanhando. Disseram que não tinha batido no tatame, mas depois voltaram atrás.”

A mulher e a filha do motorista, de 14 anos, vivem dias de angústia aguardando a recuperação de Marcos. “Não sei se quem aplicou o golpe agiu de má-fé. A única coisa que sei é que o meu marido está em coma no hospital e não sei como ele vai voltar pra mim”, lamentou a esposa.

Caso é investigado

Após o fato, um boletim de ocorrência foi registrado na 16ª Delegacia de Polícia (Planaltina), que investiga o ocorrido. Segundo Diogo Cavalcanti, delegado-chefe, o aluno responsável pela aplicação do golpe e o professor de jiu-jitsu estiveram na delegacia para prestar depoimento.

“Até agora, a única versão que temos é de que a vítima estava na aula e receberia o golpe para, posteriormente, aplicá-lo no colega. No momento que recebeu o katagatame, bateu no tatame e o colega o soltou. Quando se levantou, o professor teria percebido que Marcos estava sem reação e, segundo nos contou, deu início aos primeiros socorros”, explicou o policial.

A reportagem tentou entrar em contato com a academia Charles Gracie pelos telefones disponibilizados na rede social, mas não obteve retorno até a última atualização desta matéria.

Sobre Web Interativa

WEB INTERATIVA - PORTAL DE NOTÍCIAS - Redacao@interativapn.com

0 comentários:

Postar um comentário