O que acontece após Brasil anunciar casos suspeitos de coronavírus e elevar risco para 'iminente'?



Ministro da Saúde, Luiz Henrique MandettaDireito de imagemABR
Image captionO ministro da Saúde confirmou primeiro caso de suspeita do novo coronavírus no país

Reportagem atualizada às 19h de 28/01/20
O Ministério da Saúde confirmou nesta terça-feira (28/01) que investiga os três primeiros casos de suspeita de coronavírus no Brasil.
Pela manhã, a pasta havia divulgado que uma estudante de 22 anos de Minas Gerais que esteve em Wuhan, cidade na China que é considerada o epicentro da epidemia, apresentava sintomas compatíveis com os provocados pelo novo vírus.
Algumas horas depois, o ministério informou que dois novos casos, em Porto Alegre e em Curitiba, também se enquadram nos critérios epidemiológicos (os pacientes estiveram na região onde o vírus é transmitido de pessoa para pessoa ou tiveram contato com pessoas suspeitas ou confirmadas de terem o vírus nos últimos 14 dias) e clínicos (apresentaram febre e pelo menos um sinal ou sintoma respiratório), estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para identificação de possíveis infecções.
Estes dois casos foram confirmados como suspeitas após o governo passar a considerar toda a China como uma região de transmissão ativa do 2019-nCoV, como é oficialmente chamado o vírus descoberto em dezembro passado.

A mudança ocorreu após a OMS passar a indicar na segunda-feira que o risco global representado pelo surto é "elevado" e não "moderado". A OMS se disse ter ocorrido um "erro de redação" em relatórios anteriores e que a avaliação da situação permanece a mesma desde 22 de janeiro, com um risco "muito alto" na China, e "alto" regionalmente e no restante do mundo.
Isso foi o que levou o Ministério da Saúde ampliar os critérios para o monitoramento de possíveis casos. Desde o início do surto, houve mais de 7 mil rumores no Brasil de pacientes que teriam o vírus, informou a pasta.
O governo federal considerava até então apenas pessoas que haviam passado pela Província de Hubei, onde fica Wuhan e que concentra a maioria dos casos na China.
"Agora, vamos [considerar] toda a China, não importa qual Província. Muito provavelmente, vai haver uma sensação de que estão aumentando os casos suspeitos", afirmou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.
Mandetta informou que estão sendo feitos exames para confirmar se a estudante de Minas Gerais contraiu o novo coronavírus. O governo disse que a expectativa é ter o resultado dos testes até a sexta-feira. Não foram divulgadas informações a esse respeito sobre os dois novos casos anunciados depois.
Se houver alguma confirmação, será o primeiro caso do novo coronavírus tanto no Brasil quanto na América do Sul.
O governo federal também anunciou ter elevado a classificação de risco do país do nível 1, de alerta, para o nível 2, de perigo iminente. A escala vai até o nível 3, de emergência de saúde pública, quando são confirmados casos de transmissão no Brasil.
"A elevação do risco significa que o país precisa se preparar para uma potencial introdução do vírus por aqui. Já vimos isso ocorrer em outros lugares, e é preciso tomar medidas de contenção para que o primeiro caso confirmado não venha a criar uma cadeia de transmissão no Brasil", afirma o infectologista Esper Kallás, do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.
O governo federal disse que a estudante de Minas Gerais está internada e isolada no Hospital Eduardo de Menezes, em Belo Horizonte, instituição de referência estadual em doenças infectocontagiosas, e 14 pessoas que tiveram contato com ela estão sendo monitoradas.
No entanto, a paciente disse não ter visitado o mercado que seria o epicentro da epidemia, nem tido contato com nenhuma pessoa doente ou procurado serviços de saúde em Wuhan. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está fazendo um levantamento dos passageiros do voo em que a estudante veio da China.
A estudante de Minas Gerais passa bem, segundo o governo. Não foram divulgados detalhes sobre a situação dos outros dois pacientes.
"O país terá agora que monitorar os voos vindos da China, se é que já não está fazendo isso", afirma à BBC News Brasil o infectologista Marcos Boulos, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
"Mas não podemos ser alarmistas. Não é estranho que uma pessoa que veio da região onde o vírus está sendo transmitido esteja infectada. Mesmo que isso se confirme, acredito que haverá apenas casos esporádicos e que o vírus provavelmente não se disseminará."

Vírus já foi detectado em 16 países

Mais de 4,5 mil infecções pelo novo coronavírus já foram confirmados no mundo até agora. Mais de 100 pessoas já morreram — todas na China.
Até o momento, outros 15 países já registraram casos do vírus. Em todos eles, as pessoas haviam estado na região da China onde ocorre a transmissão do vírus de pessoa para pessoa.


Casos de coronavírus fora da China

O Ministério da Saúde brasileiro recomendou que viajantes evitem ir à China a não ser que seja estritamente necessário.
"Estamos desaconselhando, não estamos proibindo. Não é recomendável que a pessoa se exponha e depois retorne ao Brasil e exponha mais pessoas", disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em uma coletiva de imprensa nesta terça-feira.
O 2019-nCoV faz parte de uma grande família de vírus que circulam em animais — sete deles podem ser transmitidos para seres humanos e causar desde um resfriado comum até problemas respiratórios que levam à morte.


Mãe e filho chineses com máscaraDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionMais de 4,5 mil casos foram confirmados em todo o mundo

Os coronavírus estiveram por trás de duas epidemias graves recentes. A Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars, na sigla em inglês) matou 774 das 8.098 infectadas em 2003.
Já a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers, na sigla em inglês) matou 858 dos 2.494 pacientes identificados, em 2012.
"Até o momento, ele parece ser um coronavírus menos letal e que provoca doenças menos graves do que aqueles por trás das epidemias mais recentes. Das pessoas que foram internadas, 40% tinham outras doenças crônicas, como diabetes, hipertensão ou insuficiência cardíaca, que diminuem a imunidade do paciente", diz Boulos.

Número de casos cresce rapidamente

O número de casos vem crescendo rapidamente nos últimos dias. Eram pouco mais de 800 na última sexta-feira e já passavam de 2,7 mil na segunda-feira — em 24 horas, houve um aumento de mais de 50% no total de pacientes confirmados.
Mas isso não significa que são novos casos de contaminação, mas casos suspeitos em que houve resultado positivo nos exames, explica o médico sanitarista e epidemiologista brasileiro Jarbas Barbosa, diretor-assistente da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), braço regional nas Américas da OMS.
"A capacidade de fazer testes é cada vez maior, porque há mais laboratórios e máquinas dedicadas a isso, e isso eleva o total de casos. Também aumenta porque a transmissão segue ocorrendo, e não há nenhuma evidência de que foi interrompida. Então, o número de casos vai crescer nos próximos dias, infelizmente", disse Barbosa à BBC News Brasil.
Representantes do governo federal participarão nesta terça-feira de uma reunião com a OMS sobre a epidemia, e o Instituto Butantan colaborará com um esforço internacional para a produção de uma vacina.


Passageiros são escaneados em aeroporto na ÍndiaDireito de imagemAFP
Image captionDiversos países adotaram a triagem de passageiros em aeroportos para conter o surto

Mandetta disse que o país está preparado para detectar o vírus e que o governo não irá tomar medidas para trazer de volta para os país os brasileiros que estejam na China.
"A pessoa tem que ficar onde ela está. Não é orientado remoção mesmo porque você não tem um tratamento específico definido para esse vírus", afirmou Mandetta.
BBC

Sobre Web Interativa

WEB INTERATIVA - PORTAL DE NOTÍCIAS - Redacao@interativapn.com

0 comentários:

Postar um comentário