Lista mostra os seis parlamentares baianos mais influentes de Brasília


Uma pesquisa sobre os 100 parlamentares mais influentes aponta os seis baianos “cabeças” do Congresso Nacional. O levantamento, que integra a 27ª edição da publicação anual do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), traz os senadores Jaques Wagner (PT) e Otto Alencar (PSD), além dos deputados João Roma (Republicanos), Daniel Almeida (PCdoB), Alice Portugal (PCdoB) e Afonso Florence (PT), no topo da lista.
Os “Cabeças” do Congresso Nacional são, na definição do DIAP, aqueles parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais pelo exercício de todas ou algumas das qualidades e habilidades descritas.
No levantamento, Florence e Alice são descritos como “debatedores” (parlamentares ativos, atentos aos acontecimentos e principalmente com grande senso de oportunidade e capacidade de repercutir). Já Daniel é “negociador” (parlamentar que, investido de autoridade para firmar e honrar compromissos, senta-se à mesa de negociação respaldado para tomar decisões).
Wagner, por sua vez, foi apontado como sendo “articulador” (parlamentar com excelente trânsito nas diversas correntes políticas, cuja facilidade de interpretar o pensamento da maioria o credencia a ordenar e criar as condições para o consenso). Por fim, Roma e Otto são “formuladores” (parlamentares que se dedicam à elaboração de textos com propostas para deliberação).

“Entre os atributos que caracterizam um protagonista do processo legislativo, destacamos a capacidade de conduzir debates, negociações, votações, articulações e formulações, seja pelo saber, senso de oportunidade, eficiência na leitura da realidade, que é dinâmica, e, principalmente, facilidade para conceber ideias, constituir posições, elaborar propostas e projetá-las para o centro do debate, liderando sua repercussão e tomada de decisão. Enfim, é o parlamentar que, isoladamente ou em conjunto com outras forças, é capaz de criar seu papel e o contexto para desempenhá-lo”, destaca a descrição da metodologia da pesquisa.
São “Cabeças”, portanto, aqueles operadores-chave do Poder Legislativo cujas preferências, iniciativas, decisões ou vetos – implementados por meio dos métodos da persuasão, da negociação, da indução ou da não-decisão – prevalecem no processo decisório na Câmara ou no Senado Federal. A pesquisa inclui apenas os parlamentares que estavam no efetivo exercício do mandato no período de avaliação, correspondente ao período de fevereiro a junho de 2020. 
BNews

Sobre Web Interativa

WEB INTERATIVA - PORTAL DE NOTÍCIAS - Redacao@interativapn.com

0 comentários:

Postar um comentário

reverse_time-href="https://www.interativapn.com/" data-numposts="5" data-width="">