Web Interativa - O portal de notícias da Bahia

Onze PMs são investigados após morte de jovem em delegacia; vítima foi torturada e teve orelha arrancada

Foto: Reprodução

 Onze policiais militares são investigados por suspeita de omissão, negligência, conivência, prevaricação ou outra conduta no assassinato de um jovem, de 19 anos, dentro de uma delegacia em Camocim, no interior do Ceará.


O caso é alvo da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública (CGD). O crime aconteceu em fevereiro deste ano, e a vítima foi Matheus Silva Cruz.


No dia do crime, Matheus e o policial militar George Tarick de Vasconcelos Ferreira foram levados para a delegacia após uma discussão em uma festa. À época, o policial, preso desde fevereiro, alegou em depoimento que matou o jovem "em um momento de fúria, levado por violenta emoção".


Três dias após o crime, o PM foi afastado das funções, conforme determinação da CGD e também foi indiciado por homicídio qualificado. Em agosto, o advogado do policial deu entrada em um pedido de liberdade, alegando excesso do prazo do processo, mas o pedido foi negado pela Justiça.


Em setembro, a Controladoria publicou no Diário Oficial do Estado (DOE) uma Sindicância Administrativa que acrescenta o nome de três agentes, além dos oito que já constavam, chegando a 11 policiais investigados. São investigados: um tenente; dois subtenentes; um sargento; um cabo, e seis soldados.


Segundo a portaria da CGD, consta nos autos do Inquérito Policial Militar que, após sair da boate, outro jovem, que estava na companhia de Mateus, foi agredido fisicamente por um tenente e um soldado da PM e teve uma arma apontada para o rosto.


Matheus conseguiu sair do local, mas foi alcançado e detido na Praça do Coreto por três policiais que estavam de folga e o colocaram em um veículo da PM junto ao amigo. Câmeras de segurança de pontos comerciais registraram o momento em que Matheus Silva Cruz foi perseguido por policiais, dentre eles, o que o matou.


De acordo o documento, Matheus apresentava lesões no rosto, inclusive, faltando um pedaço da orelha. A vítima teria informado ao amigo que um dos agentes aplicara uma mordida na orelha direita, lesão que, entre outras, está descrita no Auto de Exame de Corpo de Delito.


Enquanto aguardava para ser ouvido na delegacia, Matheus foi morto a tiros pelo policial militar George Tarick, que havia discutido com ele durante a festa.


Fonte: BNews

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Web Interativa - O portal de notícias da Bahia
Web Interativa - O portal de notícias da Bahia
Web Interativa - O portal de notícias da Bahia
Web Interativa - O portal de notícias da Bahia