Como é ter HIV e estar em apps de paquera: 'As pessoas dizem que eu não deveria fazer sexo'

Foto: BBC


Por BBC

Aled Osborne costuma falar abertamente que tem HIV, vírus causador da Aids. Mas, quando usa aplicativos de relacionamento, como o Tinder, sua sinceridade se volta contra ele.

Muitas vezes, ele é alvo de abusos e insultos por parte de desconhecidos, que fazem perguntas ofensivas e invasivas.

Você vai morrer? Por que você está procurando sexo? Posso ser infectado ao sentar no vaso sanitário? Estes são alguns comentários que ele costuma ouvir, conforme relatou em entrevista à BBC.

"Um indivíduo me perguntou como eu contraí (o vírus) e depois quis saber se a pessoa (que me infectou) era mais velha. Quando perguntei por que, ele respondeu: 'Sempre me pareceu que os jovens são mais saudáveis'. E, na sequência, me perguntou se a pessoa era branca."

Graças à terapia antirretroviral, hoje sua carga viral (quantidade de HIV no sangue) é considerada indetectável — ou seja, é próxima a zero (menos de 50 cópias de HIV por mililitro de sangue). É tão baixa que nem sequer pode ser medida.

Quem tem a carga viral indetectável há pelo menos seis meses não é capaz de transmitir o vírus para outra pessoa, mesmo que tenha relação sexual com ela.

O que é a terapia antirretroviral?

É uma combinação de medicamentos que devem ser tomados diariamente para impedir a replicação do HIV no organismo.

Não é capaz de curar o HIV, mas pode reduzir a quantidade de vírus no sangue a níveis indetectáveis.


 Foto: Maureen Metcalfe, Tom Hodge/CDC/AP

A maioria das pessoas com HIV toma uma pílula combinada uma vez ao dia, mas outras podem tomar até quatro, dependendo de suas necessidades específicas de saúde.

A recomendação é que todos os pacientes iniciem o tratamento imediatamente após serem diagnosticados.

Atualmente, 36,9 milhões de pessoas vivem com HIV em todo o mundo, de acordo com o programa conjunto da Organização das Nações Unidas para a HIV/Aids (Unaids).

'Você está limpo?'

"Uma coisa que me dá arrepios e me faz revirar os olhos é quando as pessoas fazem a seguinte pergunta no aplicativo: 'Você está limpo?'"

O que elas querem saber, acrescenta Aled, é se você "está livre" de qualquer doença sexualmente transmissível.

"(Mas) o contrário de 'limpo' é 'sujo'. Você vai querer me dizer agora que eu sou 'sujo'?", questiona.

Ele conta que também recebe mensagens mais agressivas, como: "O que você está fazendo aqui?", "você não deveria estar aqui", "não deveria fazer sexo" ou "não deveria estar em busca de um relacionamento".

 Foto: BBC
Aled, que se define em seu perfil no Twitter como um ativista na luta contra o HIV/AIDS, afirma que foi se fortalecendo contra esse tipo de comentário no decorrer dos anos.


"Já consigo antecipar algumas perguntas que as pessoas vão fazer, e me fortaleci para poder respondê-las constantemente".

Ele dá um conselho para quem faz esse tipo de pergunta:

"Simplesmente lembre-se de que você está se comunicando com outra pessoa. É outro ser humano que está recebendo essas informações, não apenas uma foto na tela do seu celular".

"Pergunte a si mesmo se você faria essa pergunta ao vivo."

"E se a resposta for 'não', talvez você também não deva formulá-la por meio de um aplicativo".

Foto: BBC

8 coisas que você não deveria dizer a alguém com HIV / AIDS:

A BBC entrevistou várias pessoas portadoras do vírus, e elas disseram que estes são os comentários que mais fazem... e que mais geram desconforto:

  • Como você foi infectado?
  • Quanto tempo você tem de vida?
  • Então você não pode voltar a fazer sexo?
  • Você deveria dizer às pessoas diretamente
  • Se eu compartilhar uma bebida com você, vou ser infectado?
  • Você deve ser promíscuo
  • Você nunca vai poder ter uma família?
  • Você preferia que isso nunca tivesse acontecido

Fonte: BBC Ideas

Sobre Web Interativa

WEB INTERATIVA - PORTAL DE NOTÍCIAS - Redacao@interativapn.com

0 comentários:

Postar um comentário