Web Interativa - O portal de notícias da Bahia

Prefeito de Filadélfia tem contas aprovadas pelo TCM do ano de 2019

 

O Tribunal de Contas dos Municípios na sessão desta terça-feira (06/04), realizada por meio eletrônico, aprovou com ressalvas as contas do prefeito de Filadélfia, Lourivaldo Pereira Maia, relativas ao exercício de 2019.

O conselheiro Paolo Marconi, relator do parecer, multou o gestor em R$5 mil pelas falhas apontadas no relatório técnico.

Também foi determinado o ressarcimento aos cofres municipais na quantia de R$64.261,24, com recursos pessoais, pela realização de despesas sem apresentação da documentação correspondente à efetiva prestação dos serviços.

A Prefeitura de Filadélfia apresentou uma receita arrecadada no montante de R$51.525.401,19 e promoveu despesas no total de R$50.006.689,28, o que levou a um superávit orçamentário de R$1.518.711,91.

Os recursos deixados em caixa, no montante de R$5.355.932,63, foram insuficientes para cobrir despesas com “restos a pagar” e de “exercícios anteriores”, demonstrando a existência de desequilíbrio fiscal nas contas.

O conselheiro Paolo Marconi, em seu parecer, apontou como ressalvas, a reincidência na baixa arrecadação da dívida ativa; ausência de recolhimento de um ressarcimento imputado ao gestor, no valor de R$11.641,67; omissão na cobrança de sete multas (R$23.800,00) e quatro ressarcimentos (R$91.422,96) imputados a agentes políticos do município; contratação direta sem comprovação da inviabilidade de competição; apresentação fora do prazo de processos administrativos e contratos; e falhas na inserção de dados no sistema SIGA, do TCM.

A despesa com pessoal em 2019 respeitou o limite de 54% previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal.

O prefeito Lourivaldo Pereira Maia também atendeu às obrigações constitucionais, vez que aplicou 25,68% dos recursos específicos na área da educação, 16,37% dos recursos nas ações e serviços de saúde e 71,49% dos recursos do Fundeb na remuneração dos profissionais do magistério.

Já em relação ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB, apesar da Prefeitura de Filadélfia ter atingido a meta projetada de 4,10 em relação anos iniciais do ensino fundamental (5º ano), o índice foi inferior à meta projetada em relação aos anos finais (9º ano) – com índice de 3,40 ante uma meta de 4,00. Cabe recurso da decisão.

 

Assessoria de Comunicação

Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia


Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

 

Web Interativa - O portal de notícias da Bahia